quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Viva Rio e moradores apresentam demandas socioambientais


Viva Rio esteve na Prefeitura - Foto: AsCom PMT
 
O prefeito Márcio Catão recebeu nesta terça, dia 17, Cristina Lydia, da organização não-governamental Viva Rio Socioambiental, Elizabeth Lustosa Granha e Louis Capelle, da comissão de representantes das associações de moradores dos bairros Posse/Campo Grande, Cascata do Imbuí, Caleme e vizinhança. O objetivo foi abrir um canal de diálogo com o Gestor Municipal, a fim de buscar soluções para atender as principais demandas da região. Acompanhou o encontro o secretário municipal de Meio Ambiente, Eduardo Niebus e outros interessados.
 
“Já existe uma parceria da Prefeitura nas ações da Viva Rio naquela região, através da Secretaria de Meio Ambiente, e o trabalho vai continuar, dentro das nossas possibilidades. Volto a lembrar que só com a união de todos será possível a recuperação econômica e administrativa de Teresópolis”, salientou o prefeito Márcio Catão. “Vamos providenciar pessoal para a limpeza pontual solicitada”, informou o secretário Eduardo Niebus.
 
Limpeza da calha do Rio Príncipe e da rede de drenagem para escoamento da água pluvial e ações de conservação de ruas e da iluminação pública foram listadas entre as prioridades. O grupo também buscou informações sobre as obras realizadas pelo Inea no Rio Príncipe e a respeito das intervenções anunciadas pelo Governo do Estado, como o Parque Fluvial e a construção de uma barragem de amortecimento, para evitar inundações.
 
Apresentamos as principais demandas comunitárias listadas pelo projeto Rios da Serra e buscamos parceria para ações na região”, pontuou Cristina Lydia. “Foi um encontro ótimo, pois há tempos tentávamos esse contato”, acrescentou Elizabeth Lustosa. “A população quer ser ouvida e participar das obras no local”, completou Louis Capelle.
 
A Viva Rio Socioambiental foi contratada pelo Inea para, dentro do projeto Rios da Serra/Secretaria de Estado do Ambiente, realizar um trabalho de inclusão dos moradores das áreas do entorno dos rios mais impactados pela tragédia climática de janeiro de 2011, na Região Serrana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário